sexta-feira, 13 de abril de 2007

O Sr. Sócrates saiu-me cá uma bisca... Não enganava, afinal, aquele vaidoso miudinho!

Para mim, licenciada numa faculdade pública, com a última cadeira feita a um dia da semana e com o certificado de licenciatura entregue no acto da candidatura a um mestrado de uma instituição pública, esta situação deixa-me confusa! Confusa e preocupada...

Fala-se amiúde, neste país, que precisamos de formação... eu preferia que se discutisse BOA formação! Qualidade antes da quantidade! O Sr. Engenheiro devia dar o exemplo! Esperemos as cenas dos próximos capítulos...

Agora olhemos de novo para o país... Está na hora de voltar a dar atenção ao futuro cheio de aviões que nos espera!

2 comentários:

Maria José disse...

Quando me lembro da publicidade que fizeram à entrevista do nosso 1º.... mais do que o aniversário/balanço do Governo... importava discutir o que [não] fez academicamente...

Zé Rocha disse...

Do exposto se pode dizer que de uma cajadada mataste tês coelhos !...
A vaidade lusitana de possuir um dr ou um eng, tem deixado marcas no subdesenvolvimento ancestral(basta lembrar que nos últimos tempos da monarquia qualqur negreiro ou simples engraixador da decadente côrte podia comprar um título de conde ou de barão).
Para se garimpar no país das maravilhas ,sobretudo no campo partidário, um dr ou um eng constituem um «must»...

A seguir a dualidade qualidade/quantidade, infelizmente já não tão apenas lusíada,é imagem de marca de uma sociedade de consumo/consumição que não pretende mais do que maquilhar uma realidade em que o markting transforma a mediocracia em democracia...«dar-te-ei tudo o que é meu...lamentável tanto como ...compreensível

Finalmente, a Ota, novo carrilhão de Mafra, sem ouro do Brasil,mas com milhões de Bruxelas. Esquecendo obscuros boatos sobre os terratenentes daquela área, fica o binómio teimosia e centralismo que caracterizam este Senhor Engenheiro, corpo e cabeça de um governo que até tinha condições para finalmente levar esta terra a um caminho de desenvolvimento que nos escapa desde , pelo menos os dois últimos séculos!!!

Mas os egos não perdoam...e o Senhor Engenheiro não é excepç
ão...rezemos para que não se reduza a uma usual decepção !!!